Manual de pinturas Multcollor



  • Quer um orçamento sem compromisso??

Preencha nosso Formulário .


Manual de pintura simples

1 - A Tinta

Como diz o velho ditado, o melhor artesão é aquele que conhece bem as suas ferramentas. Portanto, antes de falarmos em pintura, vamos conhecer superficialmente o seu principal elemento.

A Tinta, acima de tudo, deve proteger as superfícies contra a ação do sol, chuva, maresia e outros agentes. É a tinta que torna um ambiente mais bonito e alegre, além de ser um importante elemento na decoração, na distribuição da luz e na higiene do local.

As tintas são constituídas de:

  • Pigmentos: Partículas (pó) sólidas e insolúveis. Podem ser divididos em dois grupos: ativos e inertes. Os pigmentos ativos conferem cor e poder de cobertura à tinta, enquanto os inertes se encarregam de proporcionar lixabilidade, dureza, consistência e outras características. Uma tinta pode ter vários pigmentos.
  • Veículos: É constituído por resinas, sendo responsável pela formação da película protetora na qual se converte a tinta depois de seca.
  • Solventes: São utilizados pelo fabricante nas diversas fases da fabricação da tinta, ou seja: para facilitar o empastamento dos pigmentos; para regular a viscosidade da pasta de moagem; para facilitar a fluidez dos veículos e das tintas prontas na fase de enlatamento. O usuário emprega o solvente para adequar a tinta às condições de pintura, visando a facilidade de aplicação, alastramento, etc. Entre os solventes mais comuns estão a água, aguarrás, álcoois, cetonas, xilol e outros.
  • Aditivos: São compostos, geralmente produtos químicos sofisticados, que entram em pequena quantidade na formulação de uma tinta com alto grau de eficiência, capazes de modificar significativamente as propriedades da mesma. Os mais comuns são os secantes, molhantes, antiespumantes, anti-sedimentantes, plastificantes, dispersantes, engrossantes, bactericidas, fungicidas e outros.

    Top2.gif (156 bytes)

    Qualidade das Tintas

    Aqui indicamos algumas características das tintas, através das quais o usuário poderá avaliar a sua qualidade.

    • Estabilidade: Ao se abrir uma lata de tinta pela primeira vez, esta não deve apresentar excesso de sedimentação, coagulação, empedramento, separação de pigmentos ou formação de nata, tal que não possa tornar-se homogênea através de simples agitação manual. A tinta não deve apresentar odor pútrido nem exalar vapores tóxicos.
    • Facilidade de aplicação: A tinta deve espalhar-se facilmente, de maneira que o rolo ou o pincel deslizem suavemente sobre a superfície, devendo as marcas desses acessórios desaparecer logo após a aplicação da tinta, resultando uma película uniforme.
    • Rendimento e cobertura: O rendimento refere-se ao volume de tinta necessário para pintar uma determinada área (m²/litro). A cobertura significa a capacidade da tinta em cobrir totalmente a superfície. Essas propriedades estão diretamente relacionadas ao tipo, à qualidade de resinas e pigmentos utilizados na formulação da tinta. É justamente aqui, na variação desses elementos, que se encontram as maiores diferenças de qualidade entre as tintas disponíveis no mercado.
    • Durabilidade: Refere-se à resistência à ação das intempéries (sol, chuva, maresia, etc.). A tinta mais durável demora mais para sofrer alterações na sua película, para calcinar, perder sua boa aparência, assim como suas propriedades de proteção. A durabilidade também depende diretamente do tipo, qualidade e da quantidade de resinas e pigmentos utilizados na formulação da tinta.
    • Lavabilidade: As tintas devem ser laváveis, resistindo à ação de agentes químicos comuns em uso doméstico, tais como detergentes, água sanitária e outros.

    Top2.gif (156 bytes)

    2 – Preparação da Superfície

    Um bom trabalho de pintura começa sempre pela correta preparação da superfície.

    Aqui estão alguns cuidados que devem ser rigorosamente observados.

    1. A superfície deve estar firme, limpa, seca, sem poeira, gordura, sabão ou mofo.
    2. Partes soltas ou mal aderidas devem ser eliminadas, raspando-se ou escovando-se a superfície.
    3. Profundas imperfeições da parede devem ser corrigidas com reboco.
    4. As imperfeições rasas da superfície devem ser corrigidas com Massa Acrílica (reboco externo) ou com Massa Corrida (reboco interno).
    5. Manchas de gordura ou graxa devem ser eliminadas com água e detergente.
    6. Partes mofadas devem ser lavadas com uma solução 1:1 de água sanitária. Em seguida, enxaguar a superfície.
    7. Deve-se eliminar qualquer espécie de brilho, usando-se uma lixa de grana adequada.

    Top2.gif (156 bytes)

    Cuidados fundamentais para casos específicos de pintura.

    I – Pintura sobre reboco.

    Antes de iniciar a pintura sobre um reboco novo, aguarde até que o mesmo esteja seco e curado, o que demora cerca de 30 dias. Se a tinta for aplicada sobre reboco mal curado, provavelmente a pintura descascará, porque a impermeabilidade da tinta dificultará a saída da umidade e as trocas gasosas necessárias à carbonação (cura) do reboco, sem a qual este tende a esfarelar-se sob a película da tinta, causando o descascamento.

    Rebocos fracos (pouco cimento) apresentam superfícies pouco coesas, fato que poderá ser verificado ao esfregar-se a mão sobre o reboco, constatando-se a existência de partículas soltas (grãos de areia). Neste caso, recomenda-se aplicar uma demão de Fundo Preparador de Paredes. Este produto aumentas a coesão da superfície, fixando as partículas soltas.

    Top2.gif (156 bytes)

    II – Pintura sobre madeira.

    Na primeira pintura sobre madeira recomenda-se:

    • Lixar para eliminar as farpas.
    • Aplicar uma demão de Fundo Branco Fosco, com diluição de até 30% de Diluente, dependendo da absorção da superfície.
    • Corrigir as imperfeições com Massa a Óleo.
    • Após a secagem, lixar novamente, eliminar o pó e aplicar o acabamento.

    Na repintura sobre madeira o procedimento é semelhante ao da primeira pintura, dispensando-se a aplicação do Fundo Branco Fosco.

    Para o envernizamento da madeira é suficiente lixar a superfície. Em superfícies internas recomenda-se aplicar uma demão de Selador para Madeira.

    Top2.gif (156 bytes)

    III – Pintura sobre ferro.

    Na primeira pintura sobre ferro recomenda-se:

    • Superfícies nova, sem indício de ferrugem: aplicar uma demão de Fundo Óxido de Ferro e dar o acabamento.
    • Superfícies enferrujadas:
    1. Remover totalmente a ferrugem, usando lixa ou escova de aço.
    2. Aplicar uma demão de Zarcão e dar o acabamento.

    Na repintura, elimina-se a ferrugem e aplica-se Zarcão apenas nas partes em que a superfície metálica ficou exposta. Após a secagem, lixar levemente para nivelar e aplicar o acabamento.

    Top2.gif (156 bytes)

    Recomendações Gerais.

    1. Antes de pintar qualquer superfície, certifique-se de que ela esteja preparada de acordo com as recomendações dadas e que a tinta escolhida seja apropriada ao tipo de superfície.
    2. Nunca aplique massa corrida em superfícies externas. Use sempre Massa Acrílica nestas superfícies.
    3. Nunca utilize o cal como fundo de pintura, nem aplique tinta diretamente sobre paredes caiadas. Antes, deve-se raspar/escovar toda superfície, eliminando-se o cal tanto quanto possível. Depois, recomenda-se aplicar uma demão de Fundo Preparador de Paredes diluído com Diluente na proporção 1:1.
    4. Em superfícies externas utiliza sempre verniz ou esmalte brilhante. Estes produtos são mais resistentes do que os foscos.
    5. Não utilize Massa Corrida diluída com água, aplicando-a com rolo, como se fosse uma tinta de fundo.
    6. Pinturas em superfícies externas devem ser evitadas em dias chuvosos ou quando houver condensação de vapor de água na superfície pintada. Ou ainda quando da ocorrência de ventos fortes, que possam transportar poeira ou partículas em suspensão no ar.

      Top2.gif (156 bytes)


       

    Como prevenir ou corrigir defeitos em Pintura

    Aqui temos os problemas mais comuns em pinturas na construção civil, indicando como identificar, prevenir ou corrigir tais problemas.

     

    Eflorescência
    15-01.JPG (27228 bytes)

    São manchas esbranquiçadas que surgem na superfície pintada. Isto acontece quando a tinta foi aplicada sobre reboco úmido. A secagem do reboco dá-se pela eliminação de água sob forma de vapor, que arrasta o hidróxido de cálcio do interior para a superfície pintada, onde deposita, causando a mancha.

    A eflorescência pode acontecer também em superfície de cimento – Amianto, concreto, tijolo, etc. Para evitar esse inconveniente, basta que se tenha o cuidado de aguardar a secagem da superfície antes de aplicar a tinta. Para corrigir a eflorescência deve-se aguardar a secagem da superfície, eliminar eventuais infiltrações, aplicar uma demão de Fundo Preparador de Paredes diluído com diluente na proporção de 1:1 e repintar.

     

    Desagregamento
     

    Desagregamento
    15-02.JPG (28654 bytes)

    Caracteriza-se pela destruição da pintura, que se esfarela, destacando-se da superfície, juntamente com partes do reboco. Este problema ocorre quando a tinta foi aplicada antes que o reboco estivesse curado. Portanto, antes de pintar um reboco novo, deve-se aguardar cerca de 30 dias para que o mesmo esteja curado. Para corrigir o desagregamento deve-se raspar as partes soltas; corrigir as imperfeições profundas com reboco; aplicar uma demão de Fundo Preparador de Paredes diluído com Diluente na proporção de 1:1 e repintar.

     

    Saponificação
    15-03.JPG (27177 bytes)

    Manifesta-se pelo aparecimento de manchas na superfície pintada (freqüentemente provoca descascamento ou destruição da tinta PVA) ou pelo retardamento indefinido da secagem de tintas à base de resinas alquídicas (esmaltes e tinta óleo). Neste caso, a superfície apresenta-se sempre pegajosa, podendo até escorrer óleo.

    A saponificação é causada pela alcalinidade natural do cal e do cimento que compõem o reboco. Essa alcalinidade, na presença de certo grau de umidade, reage com a acidez característica de alguns tipos de resina, acarretando a saponificação. Para evitar esse problema, salientamos: antes de pintar o reboco, aguarde até mesmo que esteja seco e curado, o que demora cerca de 30 dias. Para corrigir a saponificação em tintas látex recomenda-se raspar, escovar ou lixar a superfície, eliminando as partes soltas ou mal aderidas. Isto feito, aplica-se uma demão de Fundo Preparador de Paredes, diluído com Diluente na proporção 1:1. Em seguida, repintar.

    A correção da saponificação em pintura em esmalte sintético e tinta a óleo é feita removendo totalmente a tinta mediante lavagem com solventes, raspando e lixando. Ás vezes, pela dificuldade em remover esse tipo de tinta, costuma-se aquecer a pintura com um maçarico até que esta estoure, raspando-se em seguida, ainda quente ( este procedimento somente é aconselhável quando executado por profissionais experientes ). Em seguida, aplicar duas demãos de Fundo Preparador de Paredes, diluído com Diluente na proporção 1:1, e repintar.

     

    Manchas causadas por pingos de chuva16-01.JPG (21921 bytes)

    Tais manchas ocorrem quando se trata de pingos isolados, em paredes recém-pintadas. Os pingos isolados, ao molhar a pintura, trazem à superfície os materiais solúveis da tinta, surgindo as manchas. Entretanto, se cair realmente uma chuva e não apenas pingos isolados, não haverá manchas. Para eliminá-las, basta lavar a superfície com água, sem esfregar.

     

    Fissuras
    16-02.JPG (21563 bytes)

    Fissuras ou trincas estreitas, rasas e sem continuidade, entre outras causas, podem ser provocadas por tempo insuficiente de hidratação do cal antes da aplicação do reboco ou camada muito grossa da Massa Fina. Para corrigir, recomenda-se:

    1. Raspar/escovar a superfície, eliminando as partes soltas, poeira, manchas de gordura, sabão ou mofo
    2.  

    3. Aplicar uma demão de Fundo Preparador de Paredes diluído com Diluente na proporção 1:1
    4.  

    5. Aplicar duas demãos impermeabilizante acrílico para paredes, com diluição de cerca de 10% de água, e repintar.

     

    Trincas de estrutura
    16-03.JPG (20110 bytes)

    De modo geral são causadas por movimentos da estrutura. Para corrigir, recomenda-se abrir a trinca com um estilete ou esmerilhadeira elétrica até obter uma abertura com perfil em "V"; escovar/eliminar a poeira; aplicar uma demão de Fundo Preparador de Paredes diluído com 50% de Diluente; aplicar Vedante Acrílico de Elasticidade permanente; repassar o Vedante cerca de 24 horas depois da primeira aplicação. Sobre a trinca já vedada, estender uma tela de nylon de cerca de 20 cm de largura, fixando-a com duas demãos impermeabilizante acrílico para paredes diluído com cerca de 10% de água e repintar.

     

    Descascamento
    16-04.JPG (23360 bytes)

    O descascamento da tinta pode acontecer quando a pintura for executada sobre caiação, sem que se tenha preparado a superfície. A aderência do cal sobre a superfície não é boa, constituindo camada pulverulenta. Portanto, qualquer tinta aplicada sobre caiação está sujeita a descascar-se rapidamente. Para que isto não ocorra, antes de pintar sobre caiação elimine as partes soltas ou mal aderidas, raspando ou escovando a superfície. Depois, aplique uma demão de Fundo Preparador de Paredes diluído com Diluente na proporção 1:1. O descascamento da tinta também pode ocorrer quando, na primeira pintura sobre o reboco, a primeira demão não foi bem diluída, ou havia excesso de poeira na superfície. Neste caso quando se desejar aplicar a tinta diretamente sobre o reboco, a primeira demão deve ser bem diluída ( uma parte de água para cada parte de tinta ).

    Para corrigir o descascamento, recomenda-se raspar ou escovar a superfície até a remoção total das partes soltas ou mal aderidas. Em seguida, deve-se aplicar uma demão de Fundo Preparador de Paredes diluído com Diluente na proporção 1:1, e repintar.

     

    Bolhas
    17-01.JPG (22023 bytes)

    Em paredes externas, geralmente são causadas pelo uso de Massa Corrida PVA, produto indicado apenas para superfícies internas. Neste caso, a Massa Corrida deve ser removida, aplicando-se em seguida uma demão de Fundo Preparador de Paredes, diluído com Diluente na proporção 1:1. Depois, corrigir as imperfeições com Massa Acrílica e repintar.

    Em paredes internas, podem ocorrer quando, após o lixamento da Massa Corrida, a poeira não foi eliminada ou quando a tinta não foi devidamente diluída. O uso de Massa Corrida muito fraca ( com pouca resina ) também pode provocar bolhas. A correção deve ser feita com a remoção ( raspagem ) das partes afetadas. Isto feito, recomenda-se aplicar uma demão de Fundo Preparador de Paredes, diluído com Diluente, corrigir as imperfeições com Massa Corrida e repintar.

    Mais um caso de formação de bolhas acontece quando a nova tinta aplicada umedece a película de tinta anterior (de qualidade inferior), causando sua dilatação. Para corrigir, recomenda-se raspar as partes afetadas, aplicar uma demão de Fundo Preparador de Paredes diluído com Diluente na proporção 1:1, retocar a superfície com Massa Acrílica (reboco externo) ou Massa Corrida (reboco interno) e repintar.

     

    Manchas amareladas em paredes e tetos

    Podem ser provocadas por gordura, óleo ou fumaça de cigarro. Antes de repintar ambientes atacados por tais manchas, recomenda-se lavar a superfície com uma solução de água com 10% de amoníaco ou com detergente à base dessa substância. Este procedimento, quando desejado, pode ser substituído pela aplicação de uma demão de Fundo Preparador de Paredes diluído com Diluente na proporção 1:1.

     

    Defeitos em pintura sobre madeira

    1. Manchas e Retardamento na secagem: Podem ocorrer quando a repintura foi feita sobre madeira com resíduos de soda cáustica, que foi utilizada na remoção da pintura anterior. Para prevenir este problema, antes de repintar, deve-se eliminar por completo qualquer resíduo de soda cáustica (ou semelhante), lavando-se a superfície com bastante água. Aguarde a secagem e repinte. Se o problema já existir, remova a pintura e siga as mesmas instruções dadas.

    Os defeitos em questão também podem ser causados pela migração de ácidos orgânicos ou resinas naturais, características de certos tipos de madeira. Por serem raros e de difícil solução, recomendamos consultar sobre cada caso específico com uma Indústria de Tintas.

    2. Trincas e má aderência: Geralmente ocorrem quando se utiliza Massa Corrida PVA para corrigir imperfeições da madeira, principalmente em portas. Tais imperfeições devem ser corrigidas com Massa a Óleo.

    Para correção, remova a Massa Corrida e aplique uma demão de Branco Fosco diluído com até 30% de Diluente . Depois, corrija as imperfeições com Massa a Óleo, lixe, elimine o pó e pinte novamente.


  • Você tem alguma dúvida???

Preencha nosso Formulário .


 
Entre em Contato:
Pinturas Multcollor Ltda

www.multcollor.com.br               multcollor@multcollor.com.br

Rua Souza Lima, 130 - cep 01153-020 - São Paulo - SP - Brasil

Tele-Fax: (0**11) 3 826-6977 - Celular (011) 9709-4030

MULTCOLLOR - Alto Padrão em Pinturas

1999-2000-2001 © - All Rights Reserved